DEUS CONSTRÓI SOBRE NOSSOS FRACASSOS

     Vaneetha Rendall Risner

      Há muitas coisas que eu gostaria que tivessem me contado quando eu tinha 30 anos, porque nessa idade eu pensava que eu havia descoberto a vida.
       Mas eu não havia.
       De repente a vida virou de cabeça para baixo. Eu queria que alguém tivesse me dito:

Você está se apegando a coisas sem sentido, e você acredita em si mesma pelos motivos errados. Pare de julgar a sua vida por seus sucessos ou suas “bênçãos”, sejam elas materiais ou de relacionamento ou de reputação, porque nenhuma delas vai durar para sempre. As coisas que você agora considera bênçãos, serão levadas, e quando elas forem levadas, você descobrirá que ser abençoado é algo mais profundo e duradouro do que você pode imaginar.

       Não havia nenhuma forma de eu ter preparado meu “eu” aos trinta anos de idade para o que iria acontecer. Como alguém se prepara para o desconhecido? Fico feliz por não saber o que iria acontecer, mas eu gostaria de ter sabido que enquanto Deus estava tirando meus tesouros terrestres, Ele estava me dando algo que nunca poderia ser levado - Ele estava me dando a Si mesmo.


O CUSTO DE UMA CARREIRA DE SUCESSO

       Os últimos anos da minha adolescência e os meus vinte e poucos anos foram marcados por um sucesso absoluto. Fui nomeada como a melhor aluna do ensino médio, aceita em todas as faculdades para as quais me candidatei. Progredi no meu trabalho ascendendo na empresa.
       A vida era gloriosa de uma perspectiva secular. Nada do que meu coração desejava me foi negado. Eu tinha tudo o que eu queria. Mas isso custou um preço.
       Minha fé, uma vez vibrante durante faculdade, ficou em segundo plano em relação à minha carreira. Minhas devocionais eram corridas, isso quando aconteciam. Minhas amizades eram superficiais, mas eu estava muito ocupada para me preocupar com isso. Minha fé era superficial, mas parecia boa o suficiente.
       Então eu atingi meus trinta anos de idade. Eu e meu cônjuge tivemos que passar por anos de aconselhamento por casa de uma desavença séria no casamento. Nosso bebê morreu. Tive quatro abortos espontâneos. Fui diagnosticada com síndrome pós-pólio, embora os sintomas tivessem apenas começando.

SUCESSO COMO DONA DE CASA

       Minha vida aparentemente perfeita sofreu uma grande reviravolta. Eu havia decidido ficar em casa em tempo integral depois que nosso primeiro filho nasceu. Mudei meu foco de minha carreira para o ser uma esposa e uma mãe devotada. Fazia deliciosas refeições, tirava fotos a cada respiração dos meus filhos e fazia álbuns de recorte para comemorar cada ocasião.
       Orava por meu marido e reservava tempo para estar com ele. Planejava noites familiares regulares e educava nossos filhos em casa. Eu tinha momentos devocionais consideráveis, dava lições de estudo bíblico para mulheres e aconselhava mulheres no casamento.
       Minhas lutas me forçaram a me apoiar em Deus e aprendi a me adaptar a uma vida diferente - uma que estava menos no centro das atenções, mas ainda assim uma na qual me sentia realizada. Eram apenas prioridades e gratificações diferentes.
       Mas por volta dos meus quarenta e poucos anos de idade, tudo se desfez. Meu marido foi embora com outra mulher, mencionando minhas insuficiências como esposa. Meus filhos se afastaram de Deus com raiva, destacando meu fracasso como mãe. Nosso lar tornou-se um lugar de raiva e lamento, o oposto do santuário que uma vez foi. Meus braços começaram a vacilar por causa da pós-pólio, e então tive que parar de cozinhar, fazer álbuns de recorte e de hospedar pessoas em casa, a fim de me concentrar em cuidar de mim mesma.

Tudo pelo qual trabalhei se foi. As coisas que eu valorizava se desintegraram. Não havia um pingo de realização no qual eu pudesse me apegar.

       Aqueles dias foram mais dolorosos do que posso descrever em palavras. Meus amigos e minha família se reuniram em torno de mim, mas por dentro eu estava morrendo. Nada do que eu tinha feito parecia ser importante.
       Eu me agarrava a Deus, pois sabia que não havia outro lugar para o qual me voltar. E desse desespero veio um prazer inesperado em Deus. Eu ansiava por comunhão com ele. Sua palavra me revivia diariamente. Eu orava mais fervorosamente.
       E meu relacionamento com os outros ganhou uma nova autenticidade. Não havia nada a esconder. Não havia aparências para manter. Tudo estava descoberto.
       E percebi lentamente que esse fracasso épico era uma grande dádiva.

IDENTIDADE E SEGURANÇA

       Como minha vida foi provada pela adversidade e pelo fracasso, obtive um sentido mais verdadeiro de quem eu era. Esse sentido não estava baseado em meus sucessos, no que as pessoas pensavam de mim, no que fiz ou havia realizado.
       Minha identidade era baseada em Cristo.
       Meus sucessos na vida nunca me deram segurança. Muito pelo contrário, eles me pressionavam a continuar a ter sucesso.
       Mas o fracasso me deu uma confiança interior. Ele me ensinou sobre mim. Sobre no que eu poderia me apoiar. Sobre o que poderia ser e seria abalado. E sobre o que era inabalável.
        Em meio ao meu fracasso, entendi mais claramente no que constitui uma verdadeira benção. A verdadeira benção sempre depende do próprio Deus.

       DEUS CONSTRÓI SOBRE NOSSOS FRACASSOS

       A Bíblia nos mostra como Deus usa nossos fracassos e nossas fragilidades. Davi pecou contra Deus quando decidiu fazer um recenseamento, contando seu povo em vez de contar com Deus. Deus o puniu, e em seu arrependimento, Davi edificou um altar na eira de Araúna, o jebuseu. E foi nesse mesmo terreno, no lugar do fracasso e do arrependimento de Davi, que o templo do Senhor foi construído.
       O templo de Deus em Jerusalém, o lugar mais sagrado onde Ele habitava na terra com o homem, foi construído sobre o fracasso humano.
       Não temos nada a oferecer a Deus. Ele não está atrás do nosso sucesso. Ele deseja o nosso coração, o nosso arrependimento, a nossa dependência dele.
       Hoje Deus não habita em um templo feito por mãos humanas. Ele habita em nós. E da mesma forma, a maior obra de Deus em nós é construída com base no nosso fracasso. Deus faz a sua mais extraordinária obra quando contamos somente com ele.

PARA O MEU “EU” DE 30 ANOS DE IDADE

O que eu diria para o meu “eu” de trinta anos de idade?


       Confie em Deus. Ele vai usar tudo em sua vida para atraí-la para mais perto dele. Não desperdice seu sofrimento, pois ele edificará a sua fé. E um dia, à medida que sua fé se tornar visível, você será grata por tudo isso.

________________________________________________________________________________
Autora:   Vaneetha Rendall Risner
Tradução: Bruno dos Santos Queiroz.
Fonte: https://www.desiringgod.org/articles/weakness-and-failure-will-build-your-faith
*Publicação em português autorizada pelo Desiring God.

Comentários

Postagens mais visitadas